A cura vem pela Palavra de Deus

// 18 junho, 2011 // Artigos

Alunos do Bom Samaritano em abril 2011

Alunos do Bom Samaritano em abril 2011

Já foram milhares de pessoas atendidas nestes anos de existência do Desafio Jovem O Bom Samaritano, onde pela graça de Deus trabalhamos. A maioria apresentando um problema em comum: a dependência química. É impossível tentar ajudar essas pessoas sem conhecer suas trajetórias de vida. Sem dúvida o uso de drogas é um dos maiores maus deste século. Entretanto, existem seres humanos que carregam consigo inúmeras complicações que lhe colocaram diante do vício.

São problemas pessoais, feridas na alma que precisam ser curadas. Muitos alunos nunca tiveram sequer uma família. Outros passaram a infância inteira escutando do pai ou da mãe que jamais seriam alguém na vida. Existem aqueles que cresceram vendo a mãe ser espancada pelo padrasto ou pelo pai alcoólatra. São inúmeras histórias com as quais nos deparamos todos os dias. Precisamos ter direcionamento de Deus para lidar com cada situação.

A pessoa que se propõe a mudar de vida passa a estudar a Palavra de Deus. Após conhecer o plano de salvação, resolve um de seus maiores problemas que é a crise existencial. Pouco a pouco, mediante ao conhecimento da Palavra, outras dúvidas vão sendo solucionadas.

O cidadão aprende a importância do perdão, e assim as feridas vão sendo curadas. É quando o amor próprio começa a florescer e a auto-estima é recuperada. Os alunos do Bom Samaritano descobrem a importância de viver em harmonia com os que estão a sua volta, se preocupando com o bem estar do próximo. Aprendem a rir e a chorar juntos, adquirindo a sensibilidade de um verdadeiro cristão.

Quando eles menos percebem, estão completamente envolvidos pela Palavra de Deus. É aí então que cada um descobre por si mesmo que a cura veio através de Cristo.

Infelizmente não é todo mundo que compreende esse processo. Alguns acham tudo isso loucura. Mas é com essa loucura que temos conseguido reintegrar à sociedade, inúmeras pessoas que não tinham sequer esperança de vida.

O que mais nos estimula nesse trabalho é a certeza de estarmos formando cidadãos livres para ver o mundo com outros olhos. São essas pessoas que verdadeiramente fazem a diferença, apresentando Cristo como a solução para um mundo descrente.

Comentar